Peopleware – Parte 6

 

Chapter 6: Laetrile

Laetrila é um líquido incolor comprimido nas amêndoas dos caroços de abricó. Na Suécia, você pode comprar esse material nas mercearias pelo preço do extrato de amêndoa. No México, você pode comprar, por 50 dólares, uma gota para “curar” o seu câncer fatal. Claro, isto não cura coisa alguma. Todas as evidências demostram que isto é uma fraude cruel. Mas, como ninguém mais tem algo para oferecê-los, pacientes terminais aceitam as reinvindicações dos vendedores ambulantes, não importa o quão ultrajante sejam. As pessoas estão desesperadas o suficiente para não olhar as evidências com cuidado.

Similarmente, muitos gerentes estão “suficientemente desesperados” e se tornam vítimas fáceis de um tipo de “Laetrila técnica” que pretende aumentar a produtividade. Raramente existe qualquer tipo de evidência que suporte suas alegações. Eles, também, dispensam evidências porque suas necessidades são grandes.

Perca Peso Dormindo

Um dia, em um momento de grande estupidez, começei a selecionar anúncios de produtos que diziam impulsionar a produtividade em 100% ou mais. Em pouco tempo, eu tinha um bocado deles.

O surpreendente foi a diversidade dos meios de publicidade para gerar ganhos de produtividade. Haviam seminários, programas empacotados, metodologias, livros, quadros de agendamento, monitores de computador, linguagens de programação e newsletters.

Indo para a zona norte da cidade de metrô, naquela noite, eu avistei um último anúncio na parte de trás do jornal New York Post. O anúncio dizia “Perca peso dormindo”. Este parecia se enquadrar perfeitamente com os demais.

Todos nós estamos sob muita pressão para aumentar a produtividade. O problema não é sucetível a soluções simples, porque todas as soluções simples foram concebidas e utilizadas a muito tempo atrás. Porém, algumas organizações continuam fazendo muito melhor do que as outras. Estamos convencidos de que estas empresas que fazem melhor não estão utilizando nenhuma técnologia particularmente avançada. Suas performances superiores podem ser inteiramente explicadas pelas suas melhores formas de gerir pessoas, modificar o local de trabalho e a cultura corporativa, e implementar algumas métricas que discutiremos adiante. A relativa ineficiência da tecnologia pode ser um pouco desencorajadora. pelo menos a princípio, porque os tipos de modificações a cultura corporativa que defendemos são difíceis de serem aplicadas e demoram a surtir efeito. Seria preferível cortar um anúncio nas últimas páginas de uma revista e enviar junto com alguns milhares de dólares para que um maravilhoso truque viesse para você em um e-mail. Claro, isto pode não ser novidade para você, mas “não-soluções” fáceis são frequentemente mais atrativas do que soluções complexas.

As sete sirenes

A falsa esperança derivada de “não-soluções” tecnologicamente simples são como sirenes que tentaram o pobre Odisseu. Cada uma delas se esticando até você com suas mensagens implorativas, uma ilusão atrativa que não leva a lugar algum. Quanto mais você acredita nelas, você estará mais relutante a fazer o trabalho duro necessário para se construir uma cultura corporativa saudável.

Nós identificamos sete sirenes, do terreno que conhecemos, desenvolvimento de software, e apresentamos elas abaixo junto com as nossas próprias respostas:

SETE FALSAS ESPERANÇAS DO GERENCIAMENTO DE SOFTWARE

1. Existe algum truque novo que você perdeu que pode aumentar a produtividade;

Resposta: Você não é bobo o suficiente para perder algo tão fundamental. Você está continuamente procurando novas abordagens e experimentando algumas que fazem mais sentido. Nenhuma das métricas que você utiliza ou deseja utilizar podem realmente fazer a sua produtividade aumentar. O que elas fazem, no entanto, é manter as pessoas ativas: as pessoas gostam de manter as suas mentes engajadas, para aprender, e para progredir. A linha que diz que existe alguma inovação mágica lá fora que você esqueceu é pura tática do medo, empregada por aqueles que estão interessados em vender isto.

2. Outros gerentes estão obtendo aumentos de produtividade de 100% ou 200% ou mais!

Resposta: Esqueça isso! O típico instrumento mágico que é atribuído a você é focado, dentro do ciclo de vida de um sistema, na parte de codificação e testes. Mesmo que as partes de codificação e testes fossem retiradas por completo, você não poderia esperar um ganho de 100%. Ainda existem toda a análise, negociação, especificação, treinamento, testes de aceitação, conversão e cutover a ser feito.

3. A tecnologia está se movendo tão rapidamente que você está ficando para trás;

Resposta: Sim, a tecnologia está se movendo rapidamente, mas (a ilusão da alta tecnologia novamente) a maioria das coisas que você tem feito não são verdadeiramente trabalho de alta tecnologia. Enquanto as máquinas tem sofrido mudanças enormes, o negócio do desenvolvimento de software em si tem se mantido estável. Nós ainda gastamos a maioria do nosso tempo trabalhando em requisitos e especificação, a parte de baixa tecnologia do nosso trabalho. Produtividade na industria de software tem aumentado de 3 a 5% ao ano, apenas marginalmente melhor do que a industria de aço ou automobilística.

4. Mudar as linguagens de programação dará a você grandes ganhos;

Resposta: Linguagens são importantes porque elas afetam a maneira como você irá pensar em um problema, mas novamente, elas podem ter impacto apenas na parte de implementação do projeto. Por causa dos apelos exagerados, algumas linguagens podem ser qualificadas como Laetrila. Certo, é melhor você fazer uma nova aplicação em PowerBuilder (o livro é de 1999 ;D), por exemplo, do que COBOL, mas mesmo antes de PowerBuilder, haviam outras alternativas melhores do que COBOL: nicho de ferramentas que fazem pesquisa, debug etc de forma muito mais fácil. A menos que você tenha adormecido durante décadas, mudar a linguagem não fará muito por você. Isto lhe dará um ganho de aproximadamente 5%, mas nada mais que isso.

5. Por causa do backlog, você precisa dobrar a produtividade imediatamente;

Resposta: Tudo aquilo que tanto se fala sobre o backlog de um software é um mito. Todos nós sabemos que projetos custam muito mais no final do que nós esperávamos no seu início. Então o custo de um sistema que não será construído este ano (por que nós não temos capacidade para isto) é otimistamente assumido para ser a metade, ou menos, do que ele efetivamente custará. O típico projeto que emperra no místico backlog está lá porque praticamente não há benefícios que justifiquem a sua construção, mesmo com o custo assumido mais otimista. Se sabiamos o seu real custo, deveríamos ver o projeto como ele é: um perdedor economicamente. Isto não deveria estar no backlog, deveria estar na pilha de projetos rejeitados.

6. Você automatiza tudo, não é hora de terceirizar o seu desenvolvimento de software?

Resposta: Esta é outra variação da ilusão da alta tecnologia: a crença de que desenvolvedores de software fazem facilmente trabalho automatizável. O principal trabalho deles é a comunicação humana para organizar as expressões de necessidade dos usuários em processos formais. Este trabalho será necessário não importa como mudamos o ciclo de vida. E isto não é suscetível a ser automatizado.

7. Seu pessoal trabalhará melhor se você colocá-los sob muita pressão.

Resposta: Não irão — Eles apenas se divertirão menos.

Até agora, tudo isto foi um tanto negativo. Se inclinar-se sobre as pessoas é contraprodutivo, e instalar o último enfeite tecnológico não ajudará muito, então o que o gerente deve fazer?

Isto é gerenciamento

Nos meus anos anteriores como desenvolvedor, eu fui privilegiado em trabalhar em um projeto gerenciado por Sharon Weinberg, agora presidente da “Codd and Date Consulting Group”. Ela foi um exemplo vivo do que penso hoje sobre uma gestão correta. Em um dia nevado, arrastei-me para fora da cama a fim de estabilizar nosso sistema instável para uma demonstração ao usuário. Sharon entrou e me encontrou apoiado sobre o console. Ela sumiu e voltou alguns minutos depois com uma vasilha de sopa. Depois de tomar a sopa ela havia conseguido impulsionar o meu espírito, eu a perguntei como ela havia conseguido um tempo para fazer tal coisa tendo tantas outras coisas a fazer como gerente. Ela me deu um sorriso patenteado e disse “Tom, isto é gerenciamento”

— TDM

Sharon sabia o que todos os bons gerentes instintivos sabiam: A função do gerente não é fazer as pessoas trabalharem, mas tornar isto possível as pessoas.